website statistics
Contos Eroticos ,fotos caseiras e o melhor do sexo amador

Esparadrapo no braço

em Contos eróticos com fotos

UM PEDAÇO DE ESPARADRAPO ESQUECIDO NO BRAÇO DA NEGUINHA, QUANDO FOI NA FARMÁCIA, QUASE QUE AQUILO FOI O FIM DE TUDO…
Autoria: Val Theo

 

Nós marcamos de nos encontrar num hotel na semana seguinte, mas a Neguinha foi tomar injeção para não engravidar, e acabou esquecendo de tirar o esparadrapo que o farmacêutico colocou em seu braço. Foi justamente uma semana depois que ele havia feito vasectomia. Imaginem como o marido ficou, ao ver que a Neguinha foi tomar injeção e estava com o esparadrapo no braço.

 

 

A Neguinha me contou por telefone, que aquele dia foi o mais assustador de sua vida. A Neguinha e eu marcamos de nos encontrar lá no Metrô Paraíso, numa terça-feira. A Neguinha na segunda-feira foi tomar injeção, daquelas para não engravidar e acabou esquecendo o esparadrapo grudado no braço. A Neguinha esqueceu o pedaço de esparadrapo, que o farmacêutico colocou no local da injeção. Chegou em casa, tomou banho e esqueceu o esparadrapo no braço, e isso quase que azedou toda a nossa situação. Foi justamente quando bem recentemente, um pouco mais de uma semana, o marido da Neguinha havia feito vasectomia. E o mais interessante, é que ele resolveu fazer essa cirurgia da vasectomia, porque a mulher não podia tomar remédios contraceptivos. Imagine como ele ficou possesso. Ela disse que o marido quase a agrediu.

 

Já fazia algum tempo que eu e a Neguinha planejávamos passar o dia inteiro juntos. Sempre nos encontrávamos era assim na correria, sempre aproveitando quando a mãe da mulher ficava alguns dias em Jundiaí. Quando eu ia lá na casa da Neguinha, tinha que aproveitar o tempo sempre muito corrido. Quase nunca, não podia me demorar. Eu tinha que chegar na casa da Neguinha e, logo ir pegando a mulher e levando para a cama ou comia na mesa da cozinha. Não podia ser um visitante comum e ficar com cerimônias. Era chegar, abraçar, beijar, matar muitos desejos que fossem possíveis e depois terminar tudo na cama, e até mesmo com a Neguinha sentadinha na ponta da mesa com as pernas abertas para mim. A mesa da cozinha era o nosso parque de diversões. A mesa da cozinha era o nosso local mais preferido. Mas é claro, que vez ou outra nós íamos para algum hotel. Principalmente quando ela sabia que o marido iria fazer horas extras, ou quando fosse jogar futebol com os amigos depois do trabalho. Até mesmo os nossos encontros no hotel, eram sempre com o tempo muito reduzido. No máximo que ficávamos eram duas ou três horas. Ela não podia deixar de estar em casa sempre antes do seu marido chegar. Por isso, mesmo quando saímos do território da casa da Neguinha, o nosso tempo tinha que ser aproveitado rapidamente. Assim, nessa última vez que estive em sua casa, aproveitei que sua mãe estava na casa da outra filha em Jundiaí, e fiz a intimação para que pudéssemos passar um dia inteiro juntos em algum hotel. A Neguinha sempre prometia que ficaríamos um dia inteiro juntos. Resolvi cobrar.

 

Cheguei na casa da Neguinha em uma sexta-feira, logo que a mulher deixou a menina na escola. Nem sabia se a mãe, ou se o seu marido estava em casa. Precisado que estava de ver a mulher, não hesitei e nem me preocupei com nada. Naquele dia eu estava super atrevido e empolgado. Não esperei que a Neguinha me desse chance. Dessa vez eu fui o dono da ação, coisa que sempre quem fazia era a Neguinha. Fui logo tirando toda a roupa da mulher e depois tirei a minha. Coloquei a Neguinha dependurada em meu pescoço e ajeitei o meu pinto naquela boceta. Vez ou outra, gostava de penetrá-la assim, pendurada em meu pescoço. Eu segurava forte por debaixo das coxas da Neguinha, a mulher se pendurava no meu pescoço, eu a deixava suspensa no ar e ia enterrando. O meu cacete ia fundo, enquanto eu fazia um pêndulo, entrando e saindo daquele vulcão quente. Só faltava mesmo ter um espelho grande ali, para que eu pudesse ver a bunda da potranca negra, abrindo e fechando ao ser enterrada. Depois da nossa preliminar em grande estilo, desci a mulher bem devagar. Nos beijamos novamente, bem no meio da cozinha. Logo levei a Neguinha para a mesa, onde deveria degustar o meu banquete especial. Não tinha jeito, a pontinha da mesa sempre dava um sabor especial ao nosso fazer amor naquela casa.

 

 

Muitas vezes, eu e a Neguinha começávamos a fazer amor naquela mesa, o clima esquentava assim demais. Era uma mesa forte, feita de madeira maciça e resistente. Nesses mais cinco ou seis anos, que ia visitar a Neguinha nessa casa, nós chegamos a gozar fazendo amor nessa mesa, pelo menos umas quatro vezes. A maioria das vezes, quando o clima entre a gente esquentava demais, a Neguinha me levava para o quarto do casal, onde a nossa festa terminava. Acontecia, que em algumas vezes, não conseguíamos aguentar, e era ali mesmo na mesa. Isso se dava, sempre que eu e a Neguinha ficávamos muito tempo sem nos ver. Daí a temperatura acabava esquentando. Esse foi um desses dias, que não estávamos conseguindo aguentar de tanto desejo. Começamos as nossas brincadeiras fatais naquela mesa. Começamos as nossas preliminares na ponta da mesa. Foi, quando eu estava ajeitando e empurrando meu pinto na Neguinha, naquela nossa posição especial, bem na ponta da mesa, que a mulher veio me perguntar se eu havia feito vasectomia. Foi justamente nesse dia, quando eu estava saboreando aquele banquete e, comendo a Neguinha na mesa, que ela segredou sobre a cirurgia que o marido havia feito. A Neguinha me falou, que fazia cerca de quase vinte dias que o marido havia feito vasectomia. Aproveitei para perguntar se a cirurgia afetou o desempenho dele. Ela sorriu maliciosa e disse: ––Acho que você está querendo saber demais meu menino. E sorriu.

 

 

A nossa brincadeira ali na mesa da casa da Neguinha rendeu muito. Chupei muitas vezes com empolgação aquele bucetão, com aquela deusa negra jogada sobre a mesa. Esfreguei por diversas vezes a cabeça do meu pinto, bem na entrada da boceta da Neguinha. Ela gemia deliciosamente. Esfregava meu pinto bem forte no clitóris da mulher e dizia: ––Minha Preta! Meu banquete delicioso. Minha gostosura! Ela se contorcia em delírio. Estendi a minha mão, para que ela voltasse a ficar sentadinha na quina da mesa. Puxei uma das cadeiras e, pedi para ela apoiar um dos pés. Em seguida, puxei outra cadeira e fiz a mesma coisa com o outro pé. Entrei no meio das pernas da Neguinha, entre as duas cadeiras. Ajeitei o meu pinto em sua boceta, e fui empurrando bem devagar. Pedi para a Neguinha ficar olhando: ––Olha minha pretinha! Olha ele entrando todinho. A mulher curvou a cabeça e ficou olhando eu penetrá-la. A Neguinha arfava com aquela respiração forte. Eu empurrava o meu cacete bem devagarinho. Quando meu pinto chegava bem no fundo, com as minhas bolas atrevidas querendo entrar junto, em começava a tirar. A Neguinha com a cabeça curvada, ficava olhando o movimento do meu caralho. E gemia com a sua respiração forte. ––Põe fundo. Põe bem fundo. Repetia em sussurro. Eu empurrei numa estocada bem firme. Abracei a Neguinha bem forte pela cintura, e passei a enterrar bem mais fundo e rápido. Ela gemia e se entregava por inteiro naquela emoção. Eu sentia que era impossível segurar, queria derramar e explodir.

 

De tantas vezes que eu ia fazer amor com a Neguinha em sua casa, passei a ter controle dos seus dias férteis. Como a Neguinha não podia tomar comprimidos contraceptivos, eu tinha que cuidar para ir em dias da sua tabelinha. Mas aquele foi um dia atípico, que cheguei e nem imaginava que fosse dar alguma coisa, e não podia deixar de aproveitar o meu banquete surreal. Depois de eu enterrar na minha Neguinha, pronto para explodir abraçado com a mulher, ela resolveu se soltar e deitou-se na mesa. Com a sua voz aveludada, foi me pedindo que enterrasse com bastante força. ––Faz bem forte! Entra bem forte na sua preta. Enterra todinho bem forte. Eu quero gozar preto! Só não esquece que não pode me molhar dentro. Estou naqueles dias e não pode molhar dentro. Eu fiquei um pouco preocupado com suas palavras, mas estava impossível de segurar. Eu continuei meu movimento de enterrar tudo e bem fundo na boceta da Neguinha. A mulher arfava. A Neguinha em sua emoção única se contorcia, a cada entrada do meu pinto. Começou a abrir a boca. Toda emoção estava vindo, todo aquele turbilhão chegando. ––Ah! Ah! Ah! Ah! Foi gemendo forte, mais forte e bem mais forte. Segurei até ver e assistir a minha Neguinha gozar com empolgação, em seguida tirei o meu pinto no momento mágico da explosão, e deixei que se derramasse todo na porta de entrada da boceta da Neguinha e no meio dos seus cabelos púbicos. Eu olhava o líquido branco e viscoso, se escorrendo pelas beiradas da entrada da xoxota da Neguinha e, caindo na mesa. Ela vibrou com tamanha emoção, ao gozar na consumação de todo o nosso tesão. Parei por alguns segundos olhando a mulher, com meu pinto gotejando sêmen. A Neguinha ficou por alguns minutos deitada na mesa e de olhos fechados.

 

 

Depois desses minutos de êxtase, abriu os olhos e o sorriso largo ao mesmo tempo. Antes de se levantar falou: ––Na semana que vem vou querer muito mais, preciso muito de você. Na semana que vem, vamos ficar o dia inteiro juntos. E me olhou por segundos, com aquele olhar cheio de magia. Continuou a falar: ––Amanhã eu e o… (e falou o nome do marido), vamos buscar a minha mãe em Jundiaí. Ela ficará com a Jó aqui em casa, e eu invento alguma coisa para sair. Como no domingo começa a minha semana fértil, vou tomar injeção na segunda e na terça a gente se vê. Pode ser? E estendeu a mão para que eu a levantasse. Antes de descer da mesa, a beijei ainda sentada de pernas abertas na quina da mesa. A Neguinha desceu com minha ajuda após o beijo, passou os dedos da mão direita na boceta, depois pegou o dedo melecado, colocou-o na boca com seu sorriso belo e malicioso e seguiu para o banheiro. Eu fiquei parado por segundos olhando aquela mesa, onde desfrutei do meu célebre banquete. Logo, peguei as minhas roupas que estavam no chão, parei na porta do banheiro, e disse que tinha que ir embora. ––Vou abrir e jogar a chave. Tudo bem? A Neguinha disparou aquele seu sorriso lindo e aquiesceu com a cabeça. Antes de eu sair ela me chamou: … (e falou o meu nome). ––Não vá esquecer. Na terça está combinado nosso dia inteiro juntos. Vou tomar a injeção na segunda-feira. Te amo! Falou meio que entre sussurros. Retribui com um sorriso largo e saí com o sentido de dever cumprido. Abri o portão e joguei as chaves

 

Dessa maneira, ficou decidido antecipadamente e na semana anterior entre nós, que iríamos para um hotel bem escondidinho e ficaríamos juntos. A Neguinha me disse que nós poderíamos ficar juntos das oito da manhã até as dezenove horas. Não haveria melhor maneira para nós dois matarmos toda saudade que havia em nós, porque precisávamos de um tempo juntos. A Neguinha planejou isso, já que o proprietário dela estava indo há algum tempo jogar bola toda terça-feira e quarta-feira com os amigos da empresa onde trabalhava na região do ABC. O marido chegava em casa depois das vinte e duas horas. Dava para termos um belíssimo dia juntos tranquilamente, e a Neguinha ainda poderia voltar para casa com sobras, sem despertar quaisquer suspeitas. Além disso, poderia ainda deixar as suas coisas ajeitadas em casa, sem ter problema algum. Como a sua mãe iria ficar com a filha mais nova e, que nesse dia não iria para escola, estava tudo certo e combinado. Ela me falou, que iria inventar para a mãe, que participaria de um encontro de amigas. Seria um encontro das amigas da empresa onde trabalhou por vários anos. Não despertaria suspeitas na mãe.

 

Parece que aquele final semana demorou muito a passar, de tanta ansiedade que eu estava. Passei fazendo planos e até havia me decidido, o que eu iria dizer na empresa para faltar ao serviço. Deixei tudo encaminhado para a nossa festa de amor e emoções juntos. Afinal, não é todo dia que você pode ter o prazer em desfrutar de uma mulher especial como aquela o dia inteiro em sua cama, só para você usar e abusar de emoções. No sábado e domingo, até dormi muito mal, pensando em muitas coisas que eu poderia fazer na cama com minha Neguinha. Contudo, como sempre acontece em todas as histórias de amor, paixão e emoções, sempre pode surgir algo inesperado. Conforme a mulher me relatou, foi justamente na véspera da nossa escapadinha, que casualmente o problema aconteceu. A Neguinha disse que resolveu ir tomar injeção para que não houvesse risco de engravidar. Como na segunda-feira iniciava o seu período fértil, a Neguinha resolveu ir à farmácia. Era muito importante de se ter toda precaução naquela altura de nossa situação amorosa. A Neguinha e eu, vínhamos mantendo encontros e tendo relações sexuais continuadamente por algum tempo. Como isso tudo estava se tornando rotina, a Neguinha sempre tomava antecipadamente essas injeções contra gravidez. Não abríamos mão de toda precaução possível, porque se ficasse grávida seria uma situação grave e perigosa, porque nós sabíamos que o marido havia feito a vasectomia. Toda essa precaução era por conta de que o marido havia feito a cirurgia.

 

A Neguinha me contou, que passou toda a manhã e parte da tarde em casa, pois estava estudando para um concurso público. Disse-me que até o momento que se lembrou que tinha que tomar injeção, não chegou nem mesmo a sair no portão. Mas por volta de quinze horas se lembrou que tinha que tomar a injeção, poque tínhamos um compromisso na terça. Apressadamente colocou uma calça jeans qualquer e foi até a farmácia do bairro, que ficava próximo da praça que tinha um ponto de táxi. Tomou a injeção, voltou para casa e foi tomar um banho, porque estava perto do seu proprietário chegar. Ele costumava chegar sempre entre dezesseis e vinte e dezesseis e trinta. Raramente ele se atrasava, nunca passava muito desse horário. Quando eu ia fazer amor com a Neguinha em sua casa, nunca abusava em ficar depois das dezesseis horas. Eu também sabia, que somente na quarta-feira é que ela emendava no futebol com os amigos ou quando lá na empresa apareciam muitos serviços e todos eram convocados para horas extras. Mas nessa semana, por haver um campeonato, o futebol foi marcado para terça e para quarta. A terça-feira foi marcada pela Neguinha, para ser o nosso dia de ficarmos juntos o dia inteiro dentro de um quarto de hotel.

 

 

Portanto, a Neguinha revelou-me o ocorrido naquele dia, logo que o marido entrou em casa naquela segunda-feira, assim que chegou do trabalho. A Neguinha disse que estava totalmente empolgada, saindo do chuveiro, depois de ter voltado da farmácia. A Neguinha me contou que chegou a ficar bastante excitada, lá no seu banheiro da suíte. A mulher me contou que só de lembrar, que no dia seguinte estaríamos juntos no hotel, começou a se tocar e se masturbar de leve. Quando a mulher me relatou dias depois ao telefone sobre o ocorrido com o seu marido, disse-me que foi a primeira vez que ficou muito assustada. A Neguinha contou que o marido chegou em casa bem romântico, coisa que não fazia parte do perfil do marido. Ele passou por ela, deu-lhe um beijo e disse que também iria tomar um banho, porque o dia havia sido muito corrido. Passou bem próximo da cama em direção ao banheiro, voltou para pegar uma toalha que estava jogada sobre a cama. Naquele instante foi que ele viu um pedaço de esparadrapo colado no braço da Neguinha. O marido viu o pedaço de esparadrapo no braço onde a Neguinha havia tomado a injeção. O homem da farmácia aplicou a injeção, e colocou-lhe no braço um pedaço de esparadrapo. O marido ao ver aquilo se transformou imediatamente. O marido enfurecido, com olhar fixo no braço da Neguinha, voltou esbravejando, furioso e foi de imediato perguntando para a Neguinha: ––Quero saber por que você foi tomar injeção?  Por que você acha que eu resolvi fazer essa maldita cirurgia da vasectomia? Não era para você evitar de tomar os comprimidos e injeções? Não era justamente para você poder parar com essas drogas? Segundo a Neguinha, ele falava e emendava uma palavra na outra, de tão furioso que estava. A mulher pensou em falar e discutir, mas naquele momento achou melhor, não. Houve um momento que ela pensou que ele fosse ter um troço ou agredi-la.

 

A mulher me contou esse acontecido, dizendo inclusive que permaneceu calada. O marido chegou mais perto para querer saber da mulher. A Neguinha me disse que receou que ele fosse lhe bater de tão nervoso. Ele falava gritando e em tom raivoso, que se podia ouvir na rua. A Neguinha me disse, que calmamente tentou argumentar com ele, mas sem provocar e criar situações de conflitos ou com mentiras. Resolveu dizer a verdade e, comentou mostrando ao marido um ligeiro ar de surpresa, de que havia esquecido sobre a vasectomia. Disse que como sempre tomava injeção na semana fértil, acabou esquecendo. Como a mulher tinha certeza que iriam fazer amor, falou que havia esquecido. A Neguinha mencionou, que inventou isso para o seu marido, mas sem olhar para ele ou encará-lo de frente. Senti que ele ficou bastante desconfiado. A mulher disse que notou muita insegurança no olhar do seu marido, durante muitas semanas. A Neguinha falou que o marido decidiu que não iria trabalhar no dia seguinte. O seu marido passou a atender todo e qualquer telefonema sempre que estava em casa. A Neguinha se sentiu perseguida pelo marido durante um bom tempo. Durante mais de um mês e meio ele ficou tratando a Neguinha de modo estranho ficando na cola da mulher. Moral da história, é só que voltei na casa da Neguinha dois meses depois, quando sua mãe foi novamente para a casa da irmã em Jundiaí. Voltamos a programar um novo dia especial para nós dois, mas dessa vez a Neguinha não precisou tomar injeção antecipadamente. Tudo deu certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

NovoVoltei no dia seguinte conto erotico

Voltei no dia seguinte conto erotico

UM DIA DEPOIS QUE A CELINA ME VIU COMENDO A NEGUINHA NA LAVANDERIA, EU VOLTEI NA CASA DA NEGUINHA. QUERIA MUITO SABER SE A COMADRE CELINA COMENTOU ALGO COM A NEGUINHA, SOBRE TER VISTO A GENTE FAZENDO AMOR NA LAVANDERIA.   Autoria: Val Theo   Depois do acontecido comigo e a Neguinha na lavanderia da […]

FUI PEGAR DOAÇÕES DE ROUPAS EM SUA CASA – PARTE II

FUI PEGAR DOAÇÕES DE ROUPAS EM SUA CASA – PARTE II

FUI PEGAR DOAÇÕES DE ROUPAS EM SUA CASA – PARTE II Autoria: Val Theo A Neguinha falava vez ou outra, quando tínhamos uma discussão de relação, que eu deveria respeitar a sua casa, contudo era a primeira a quebrar as regras, assim que eu chegava em sua casa. Naquele dia quando fui buscar essa última […]

A CLAUDETE VIZINHA DA NEGUINHA

A CLAUDETE VIZINHA DA NEGUINHA

A CLAUDETE VIZINHA DA NEGUINHA, PAROU-ME NA ESQUINA, LOGO DEPOIS QUE SAÍ DAQUELA CASA AO FAZERMOS AMOR, E VEIO ME AMEAÇAR, DIZENDO QUE IRIA CONTAR AO SEU MARIDO DELA. Autoria: Val Theo Meu chefe havia me pedido que eu fosse buscar alguns documentos da fazenda, que naquele tempo era numa cidade da Região Metropolitana de […]

O AQUECEDOR NO QUARTO DA NEGUINHA

O AQUECEDOR NO QUARTO DA NEGUINHA

O Aquecedor no quarto da neguinha – contos eroticos Autoria: Val Theo Eu e a Neguinha estávamos vivendo tempos difíceis. Nossos encontros se prendiam aos namoros, apertos e inúmeras vezes dando amassos naquela mulher, sempre de forma tão descompensada, às escondidas e fortuita na hora do almoço. Sempre arrumávamos um jeito dos beijos escondidos, em […]

A comadre Celina nos viu

A comadre Celina nos viu

A CELINA, COMADRE DA NEGUINHA, NAQUELE DIA ME VIU COMENDO A NEGUINHA, LÁ NA LAVANDERIA DA CASA ANTIGA. Autoria: Val Theo Foi um dia muito difícil. Cheguei na casa da rua do governador e logo que cheguei a Neguinha me avisou que tinha gente em sua casa. Pensei em voltar do portão. Mas quando me […]

FUI PEGAR DOAÇÕES DE ROUPAS EM SUA CASA – I

FUI PEGAR DOAÇÕES DE ROUPAS EM SUA CASA – I

FUI PEGAR DOAÇÕES DE ROUPAS EM SUA CASA – I Autoria: Val Theo Quase sempre, nos últimos tempos, havia uma crise séria de relação entre nós, por qualquer motivo ou por qualquer coisa que falássemos um para o outro. Tudo era motivo para guerra com essa mulher. A Neguinha, pouco estava me dando de oportunidades, […]

Era feriado do dia do funcionário público

Era feriado do dia do funcionário público

ERA FERIADO DO DIA DO FUNCIONÁRIO PÚBLICO (ELA FEZ MEU PAU CRESCER COM A BOCA) Autoria: Val Theo Naquele ano de 2014, foi definida a antecipação do feriado do Dia do Funcionário público para a segunda-feira. Muitas vezes eu ficava sabendo antecipadamente, se eles iriam viajar naquele feriadão prolongado. A Neguinha não quis mesmo me […]

FUI LEVAR UM PRESENTE DE ANIVERSÁRIO PARA A NEGUINHA.

FUI LEVAR UM PRESENTE DE ANIVERSÁRIO PARA A NEGUINHA.

FUI LEVAR UM PRESENTE DE ANIVERSÁRIO PARA A NEGUINHA. De: Val Theo Era mês de março do ano de 2014. Naquele dia eu fiz questão de ir levar meu presente de aniversário para a minha Neguinha, diretamente no portão de sua casa, mesmo com riscos do marido estar em casa. Além disso, eu posso dizer, […]

O MARIDO FOI FAZER CAMINHADA NO CERET

O MARIDO FOI FAZER CAMINHADA NO CERET

O MARIDO FOI FAZER CAMINHADA NO CERET Autoria: Val Theodoro Devo confessar que as minhas idas na casa da Neguinha estavam cada vez difíceis. O marido havia saído do último emprego que estava trabalhando no Ipiranga na sua profissão de pantógrafo. Estava também em fase dos preparos da documentação para a aposentadoria e, estando em […]

Um acontecimento especial

Um acontecimento especial

UM ACONTECIMENTO ESPECIAL… QUANDO ELE FOI LEVAR A SOGRA EM JUNDIAÍ. Autoria: Val Theo Imaginem vocês, que as coisas entre nós aconteciam muitas vezes por mera casualidade ou intervenção do destino. Confesso, que sobre aquele dia, lembro-me muito bem, assim como se fosse hoje. Praticamente impossível de esquecer. Era um tempo em que além da […]

No quarto do casal havia uma poltrona

No quarto do casal havia uma poltrona

Autoria: Val Theo No quarto do casal, quando ainda moravam lá na casa da vila, na primeira casa que eles compraram, além de uma poltrona, também havia uma rachadura. Assim, resolvi escrever sobre o dia em que a filha comentou com o pai, que o amigo da mamãe havia entrado lá no quarto deles. Ele […]

Selma e o técnico de tv

Selma e o técnico de tv

Acordei com vontade de dar a bunda e chamei esse técnico de tv aqui em meu apartamento. Foi exatamente isso. Quando acordo com vontade de dar a bunda é algo incontrolável mesmo. Sinto o ânus suado, quente e piscando. E logo ainda na cama, ao acordar. Não sei explicar esse tesão que tenho na bunda. […]

Selma Recife com dois coroas do sertão

Selma Recife com dois coroas do sertão

Para ler e escutar Acho que ainda não falei de forma enfática, mas quero abordar isso agora. Sou viciada em machos e caralhos diferentes, todo Brasil sabe, pois desde 2007 faço filmes e fotos de minhas aventuras. Aliás, meu marido quem faz os filmes e fotos, pois é um corno manso, conformado e feliz. Gosto […]

Fui arrombada no mato e gostei!

Fui arrombada no mato e gostei!

Oi amores! Sou a estéfani tenho 19 anos, moro em Santa Catarina, vou contar o que aconteceu em 2015 quando tinha 14 anos. Os nomes de terceiros vão ser mudados para não comprometer ninguém, só o meu nome é verdadeiro. Sexta feira a noite eu e minha irmã estamos no quarto, minha irmã é a […]

Africano fode o cu da minha esposa na minha frente

Africano fode o cu da minha esposa na minha frente

Bom dia a todos. Podem me chamarem do que quiserem, pois não ligo. Se quiserem me julgar, tudo bem. Se acham errado, fodam-se. Ser corno conformado foi a melhor coisa que me aconteceu até hoje. Quem acha que estou errado, pode até em casa ter uma mulher puta e nem sabe. Ainda. Pense nisso. Ou […]

Fodendo a gostosa mulher do corno

Fodendo a gostosa mulher do corno

Vou contar uma situação que aconteceu comigo quando tinha 23 anos, gosto muito de ir para interiores pois adoro o campo e fui com um amigo para sul de minas em uma cidade pequena na casa de uns parentes dele passar um feriado. Chegando lá fomo recebidos muito bem pela sua tia e tio, nos […]

Como ela aguentou isso na bunda?

Como ela aguentou isso na bunda?

Eu bem que avisei a minha esposa, que esse negócio de querer caralho muito e grande na bunda podia lascar o ânus dela. Mas palavra de corno é mesmo que nada. Na verdade, a culpa é minha. Há quatro anos pedi para ser corno. Exatamente isso. Entrei na internet e procurei o nome Selmaclub. Foi […]

Anal com cinco machos Selma e amigas

Anal com cinco machos Selma e amigas

Vejam nessas fotos as 14 camisinhas usadas por amigos nossos nesses dias. E veja as fotos dessa minha bunda e de minhas amigas, aqui em minha casa, na praia de Porto de Galinhas. E adoro marcar nessa casa com novos amigos que fazemos diariamente, pelo nosso chat. Eu e amigas estamos todas as manhãs e […]



fotos porno caseirasfotos de bucetudavagbundasdoorkutstripper skypebuceta fotos caseirasporno caseiro fotoscontos eroticos imagensfotos de safadasnaviodaputariatesudas fotosvagabundasdoorkut.comcoroas caseiras safadasimagens porno caseirascasadas fotosfotos de brasileiras amadorasfotos de sexo blogblog contos eróticosfotos caseorascasa dos contos eroticos com fotoscontos erotivoscaiu na net.wsfotos caseiras esposaimagens pornovizinha gostosa fotosfotos de casadas safadasfotos amadoras gostosasminha mulher.comblog das casadas safadasputas caseiras fotoscoroas caseiras .netportal da putariacasadas gostosas fotosminha mulher pornminhamulher.netfotos caseorasblog das amadorasminha vizinha fotosvagabundas.do.orkutfotos amadoras gostosasvagabundas do orkutyblog de contos eróticoscoroas blogspotcontos de sexo realfotos de coroa gostosatesudas fotosblog pornosua visinha.comminha esposa fotoscoroas caseiras bucetudasmaduras caseirascontoseroticoscomfotovagabundasdorkutminha mulher fotosstripper virtualfotos de tesudasputaria fotoscontos eróticos fotosgostosas caseirasblogdascaxorrasfotos de coroas casadasfotos de sexo comblog eroticofotos eroticosconto erotico com fotossexo coroas caseirasesposa gostosa blogfotos gostosas caseirasfotos de bucetudascontoeroticocomfotosua vizinha coroafotos de velhas gostosasfotos de coroas deliciosasgostosas caseirasfotos esposas amadorasminhamulher.comvagabundas orkutsite minha mulherfotos de coroas amadorascontos pornôsfotos caseiras de surubaimagens de bucetas caseirascontos eróticos foto